Celam divulga carta aos líderes e governos sobre ações contra a Covid-19

Presidencia-do-Celam-1200x762_c

Publicado em: 24, agosto/2020

A Presidência do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), ao qual integra a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB),  em carta dirigida aos líderes e governos da América Latina e do Caribe, convida as autoridades políticas, pessoas e a comunidade científica a construir soluções conjuntas para superar as dificuldades atuais. O colegiado recorda que esse processo necessita de vontade política para se concretizar, e, por isso, se unem na oração para que seja Deus quem inspire a sua inteligência para alcançar esse objetivo.

Sugerem também que essa atitude pró-ativa não seja assumida apenas na solução do problema gerado pela Covid-19; mas olhando para o futuro e os desafios que o continente terá que enfrentar, porque para na Igreja ainda está latente o sonho de uma “Grande Pátria” latino-americana e caribenha que viva plenamente a integração.

América Latina e Covid-19 – O documento, de quatro páginas, lembra que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), até o momento mais de 200.000 pessoas morreram na América Latina e no Caribe e cinco bilhões foram infectadas com Covid-19. A previsão é de mais 215 milhões de pessoas vivendo na pobreza nos próximos meses, o que corresponde a 35% da população. Um fato escandaloso que faz barulho na consciência da Igreja. A situação dos mais vulneráveis ​​preocupa a Igreja continental à qual se soma a violência e o medo que ameaçam a liberdade de todos os povos, circunstância que agrava a alma da nossa “Grande Pátria”.

Por tudo isto, acrescentam os bispos, sentem no íntimo o eco das palavras do Santo Padre na Audiência Geral de 19 de agosto: “É essencial encontrar uma cura para um pequeno mas terrível vírus que põe o mundo inteiro de joelhos. Por outro, devemos curar um grande vírus, o da injustiça social, da desigualdade de oportunidades, da marginalização e da falta de proteção dos mais débeis”.

Vacina segura e equitativa – Embora a presidência do Conselho Episcopal Latino-americano reconheça os esforços de toda a comunidade científica para produzir uma vacina contra esse vírus, alertou que “as vacinas devem ser comprovadas como seguras e testadas eticamente; a advertência médica tradicional do primum non nocere, ou a primeira coisa é não fazer mal” , deve sempre orientar os cientistas; de acordo com a Associação de Saúde dos Estados Unidos.

Juntos pela “Grande Pátria” – Referindo-se aos responsáveis ​​pelas decisões que afetam o bem comum, o Conselho Episcopal Latino-americano exorta os líderes e governadores da América Latina a buscar soluções junto com todos os povos, sempre na unidade e na fraternidade. Tudo isso para contribuir com a construção de uma “ Grande Pátria” com que todos sonhamos, por isso esperam que toda a comunidade científica faça ações conjuntas em centros de pesquisa, laboratórios e produção de medicamentos “para que possamos enfrentar também as chamadas doenças invisíveis, resultado do déficit e de condições socioeconômicas injustas, que causam mais mortes do que a Covid-19″.

Curar estruturas doentes – Como já sabemos a crise provocada pela Covid-19 revelou as deficiências das estruturas sociais onde a pobreza está aumentando na maioria dos povos de nossa América Latina e Caribe, por isso é urgente que economistas e cientistas procurem uma nova ” vacina” contra as estruturas sociais que estão doentes. “Mas não devemos ver tudo como uma maldição ou castigo de Deus, mas sim como o resultado do“ pecado estrutural ”e do“ pecado ecológico ”que afetam nossa região e que todos devemos superar juntos. Exigimos que as políticas públicas tenham sempre em mente, em primeiro lugar, os homens e mulheres de nossa terra e principalmente os mais pobres. Nós o reivindicamos em nome de Deus!”.

Comprometidos com a reconstrução – Por fim, recordam que a Igreja estará sempre comprometida com a reconstrução do tecido social latino-americano e caribenho e com uma particular dedicação pastoral à defesa e ao cuidado da vida; especialmente a dos mais vulneráveis ​​e excluídos.

Com Celam e CNBB

|