Mundo tem mais de 5 milhões de infectados por coronavírus

52514565_303

Publicado em: 22, maio/2020

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos (EUA), que compila dados mundiais sobre a epidemia de Covid-19, o mundo registrou mais de 5 milhões de casos de contágio por coronavírus na quinta-feira, 21 de maio. Apenas cinco países (EUA, Rússia, Brasil, Reino Unido e Espanha) são responsáveis por mais da metade desses casos.

Com 1.551.853 de casos até a manhã de quinta-feira, os EUA estão em 1° lugar no ranking de infecções relatadas, seguidos por Rússia (326.705), Brasil (312.074), Reino Unido (249.619) e Espanha (231.555).

Dados divulgados pelo Ministério da Saúde, na quinta-feira, apontam que o Brasil identificou 1.188 mortes por Covid-19 em 24 horas, elevando o total para 20,112. O país registrou ainda 18.508 novos casos de coronavírus nesta quinta-feira.

A Universidade Johns Hopkins contabilizou ainda 328.227 mortos em todo o planeta. Mais de 1,8 milhão de doentes foram considerados curados.

Depois de a Europa ter sucedido a China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou agora a ser o que tem mais casos confirmados (cerca de 2,2 milhões contra mais de 1,9 milhão no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 130 mil contra mais de 169 mil).

Considerando um período de 24 horas, foram contabilizados pela instituição americana 23.604 novos casos e outras 1.369 mortes nos EUA. O estado de Nova York continua a ser o epicentro da pandemia nos EUA, com 354.370 casos e 28.636 mortes, sendo que apenas na cidade de Nova York morreram 20.934 pessoas devido à doença.

O segundo estado mais afetado nos EUA pela crise sanitária é Nova Jersey (150.776 casos e 10.749 mortes), seguido por Illinois (100.418 e 4.525) e Massachusetts (88.970 e 6.066). O número não oficial de mortes em todo o país (93.214) está abaixo das estimativas iniciais da Casa Branca, que projetava, na melhor das hipóteses, de 100 mil a 240 mil óbitos por covid-19, mas ultrapassou muito a previsão mais otimista do presidente Donald Trump, que era de 50 mil a 60 mil.

Com Carta Capital

|